Autor: Martins Rodrigues Teixeira
Editora: FTD
Ano: 2010
Páginas: 32
Gênero: Infanto-Juvenil

Resenha por: Leila
Nota: ★★★ +  

As aulas de Matemática vão ganhar encanto e magia com os livros desta série. Neste volume, que integra Matemática, Literatura e Ecologia, dois personagens, Neco, Teco, convidam o leitor a refletir sobre a importância da preservação da fauna e da flora, desafiando-o a resolver situações matemáticas envolvendo principalmente frações.

"A proposta da série Matemática em mil e uma histórias está fundamentada no entendimento de que a leitura não é apenas uma decodificação de símbolos, mas um processo mais amplo de compreensão da realidade. A leitura vai além do texto e começa até mesmo antes do contato com ele. A dinâmica do trabalho com quadrinhos proporciona um diálogo entre a criança e os personagens, possibilitando o prazer das descobertas e o reconhecimento de experiências próprias na história. Cada volume da série integra temas matemáticos com temas de outras disciplinas, desencadeando um trabalho interdisciplinar."

Teco e Neco estão em casa assistindo a televisão quando começa o Jornal, dizendo que farão uma cobertura completa da primeira assembleia da ONB ( Organização Nacional da bicharada). A reportagem trata da destruição causada pelo homem com o desmatamento e, em consequência, dos animais em extinção. Essa narrativa traz dados e informações de animais que estão ameaçados de extinção no Brasil, alguns deles, através de frações. No intervalo do jornal, Teco e Neco comem uma torta que havia sido dividida em 9 pedaços, mas eles não comem a mesma quantidade e isto gera alguns conflitos.
É um livro delicioso, apresentado em formato de quadrinhos (com uma linguagem simples e ilustrações enriquecedoras), uma excelente leitura para os estudantes. É indicado a partir do 4º ano.
No meio da história, são apresentadas algumas atividades para que os alunos reflitam sobre a leitura e resolvam alguns problemas.
Para finalizar, eles dão uma lição e convidam a todos para participar da luta pela preservação da fauna e da flora do nosso planeta.


Autor: Martins Rodrigues Teixeira
Editora: FTD
Ano: 2010
Páginas: 32
Gênero: Infanto-Juvenil

Resenha por: Leila
Nota: ★★★ +  

As aulas de Matemática vão ganhar encanto e magia com os livros desta série. Neste volume, que integra Matemática, Literatura e Folclore, Neco, Teco e dois amiguinhos passam um fim de semana num sítio e, em meio a deliciosas guloseimas e divertidas traquinagens, descobrem personagens do folclore brasileiro e desafiam o leitor a resolver situações-problema que envolvem o cálculo de perímetros e áreas.

"A proposta da série Matemática em mil e uma histórias está fundamentada no entendimento de que a leitura não é apenas uma decodificação de símbolos, mas um processo mais amplo de compreensão da realidade. A leitura vai além do texto e começa até mesmo antes do contato com ele. A dinâmica do trabalho com quadrinhos proporciona um diálogo entre a criança e os personagens, possibilitando o prazer das descobertas e o reconhecimento de experiências próprias na história. Cada volume da série integra temas matemáticos com temas de outras disciplinas, desencadeando um trabalho interdisciplinar."

Teco e Neco convidam Maísa e Cauê para visitar o sítio da vó Zilá. No sítio, em meio a muitas brincadeiras, eles demonstram interesse e curiosidade em ajudar a vó Zilá com o "caso dos azulejos da cozinha", que haviam caído misteriosamente da parede numa determinada noite. Para isto, acabam calculando a área da região que ficou sem azulejos e a vó Zilá conta como eles são comprados, trabalhando a noção de metro quadrado. 
Ao visitar a horta, as crianças resolvem calcular a quantidade de metros quadrados da plantação de alfaces da vó Zilá e decidem preparar outros canteiros para o plantio, calculando o espaço que cada um ocupará.
Tudo isto ocorre ao mesmo tempo que dona Zilá oferece vários lanches e refeições, além de reunir as crianças para contar histórias, explicando o que é o Folclore, algumas de suas lendas, personagens, festas.
É um livro delicioso, apresentado em formato de quadrinhos (com uma linguagem simples e ilustrações enriquecedoras), uma excelente leitura para os estudantes. É indicado a partir do 4º ano.
No meio da história, são apresentadas algumas atividades para que os alunos reflitam sobre a leitura e resolvam alguns problemas.
Para finalizar, deixo com vocês a questão do "caso do azulejos". Será o Saci?


Autora: Cíntia Moscovich
Editora: Record
Ano: 2012
Páginas: 140
Gênero: Literatura Nacional/ Contos e Crônicas

Resenha por: Leila
Nota: ★★★★ + ♥  

Essa coisa brilhante que é a chuva é um retrato da vida, dos dias, do estar vivo todos dias. Aqui, com muita originalidade e impressionante sensibilidade, Cíntia Moscovich aborda de maneira admirável temas corriqueiros e inevitáveis: o ciúme do filho pela mãe, a chegada de um cachorro em casa, os cabelos grisalhos surgindo antes da hora... Uma reunião de contos tão coesos que mais parecem uma só narrativa, tornando a leitura uma experiência única - e rara.

Cíntia Moscovich é uma escritora de Porto Alegre que, após conquistar o 11º prêmio Portugal Telecom de Literatura no início de dezembro de 2013, venceu o prêmio Clarice Lispector, instituído pela Fundação Biblioteca Nacional. Seu livro "Essa coisa brilhante que é a chuva" reúne contos considerados "claricianos" pela crítica.
"Essa coisa brilhante que é a chuva" tem nove contos que abordam temas do nosso cotidiano. Não pensem que, por ser uma escritora de renome, escreve difícil. Sua linguagem é simples e clara e, por momentos, podemos imaginar que está contando alguma situação que vivemos, por abordar situações comuns a tanta gente, como o fato de acharmos que está ou já passou da hora de sairmos de casa e o dilema de abandonar toda segurança que nos encontramos, pois "os gatos adoram peixes, mas odeiam molhar as patas", o ciúme de um filho pela mãe, a chegada de um cachorro e toda mudança na rotina que isto acarreta, as expectativas dos pais em relação aos filhos e o medo quando percebem que seus gostos são diferentes do que a sociedade costuma achar como normal, a situação de um pai que mesmo morando com o filho, sente-se só e pouco muda quando, enfim, fica sozinho, os cabelos grisalhos surgindo antes da hora, a dor da morte, da separação, a herança, tanto material quanto os valores passados pelos pais, uma reforma que dura anos...
Como os contos abordam situações tão atuais e comuns no nosso dia a dia, acabamos por associá-los com fatos de nossa própria vida, levando-nos a várias reflexões e, por este motivo, gostei muito deste livro.


Autor: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Ano: 2011
Páginas: 474
Gênero: Juvenil

Resenha por: Luísa
Nota: ★★★ +  

Em busca de uma poção para salvar a vida de sua mãe, Clary deve viajar até a Cidade de Vidro, lar ancestral dos Caçadores de Sombras. Mas à medida que se aproxima de Ragnor Fell, o feiticeiro que pode curar a mãe, ela descobre segredos sobre seu passado e o de Jace - e o irmão não hesita em deixar claro que não a quer por perto. Isso Clary já entendeu, ela só não imagina que está prestes a participar de uma batalha épica, na qual Caçadores de Sombras e integrantes do submundo terão que se unir se quiserem sobreviver. 
Cidade de Vidro é o terceiro livro da série Os Instrumentos Mortais da Cassandra Clare  (uma das minhas séries favoritas ), neste livro Clary finalmente chega perto de descobrir como acordar sua mãe, porém o mundo conspira contra isso e tudo da errado. Pra piorar, Jace não permite que Clary vá a Idris e faz de tudo para que isso não aconteça para o bem da mesma, já que na cidade as barreiras caem deixando liberada a entrada de demônios. 
Esse com certeza é um o meu livro preferido da série pois é nele que a história construída no primeiro livro se resolve, além de a Cassandra ter focado mais nos outros personagens como o Simon (♥). Alguns personagens novos entram nesse livro e deixa tudo mais interessante.
Dei 5 estrelas e 3 corações (óbvio). Super indico essa série.


Autor: Nathália Travaglia
Editora: Independente 
Ano: 2013
Páginas: 196
Gênero: Romance

Resenha por: Luísa
Nota: ★★★ +  

O proibido seduz e alucina; Marcela (Nut) jovem estudante, de comportamento com características sublime entrega-se como coração aberto a um amor que despontaria como surreal. O acaso a coloca neste caso fascinante. Sua pureza a leva ao encontro de um amor onde o proibido segue a regra exata de sua definição. O romance "Isto não é permitido" está calçado na emoção mais forte que o humano carrega de forma inerente a sua reação: o amor. A personagem se desloca a outro continente onde costumes e comportamentos diferentes por completo dos seus. Ao cair neste mundo nublado à sua visão, seu corpo perde a ação gravitacional deslocando-se como se estivesse a levitar, ao desvendar que o homem que ama, mesmo demonstrando seu desejo irrefreável vê que o abismo que os separam é intransponível. Apenas dois corações impulsionados pelo amor tentam o que entre paredões de grande profundidade se supõe insondável e tenebrosa que os separavam. 

O livro Isto não é permitido conta a história do romance entre Marcela e Adam, dois jovens que se conhecem, em uma festa no curso em Berlim. Era a última semana de Marcela no intercambio, e nesses poucos dias ela e Adam se aproximam bastante e se apaixonam. Na volta ao Brasil Nut não consegue parar de pensar no rapaz, eles continuam a se comunicar através de ligações, mensagens e redes sociais.
Depois de um tempo sofrendo, Marcela resolve ir atras dele, na capital da Jordânia, Amã. Lá ela descobre muitas coisas a respeito de Adam, coisas que ela nem imaginava poder acontecer.
Li o livro em um dia. Ele tem uma linguagem gostosa e fácil. Apesar da história ser bastante clichê eu gostei muito. Afinal, que livro juvenil não tem uma história óbvia? O final do livro é surpreendente, ninguém  imaginava o que poderia acontecer, para descobrir leiam o livro.
Este livro só é vendido em uma loja virtual, seus exemplares não são distribuídos, se estiver interessado clique aqui.
Dei 3 estrelas e 3 corações.


Autor: Oscar Guelli
Editora: Ática
Ano: 1997
Páginas: 39
Gênero: Infanto-Juvenil

Resenha por: Leila
Nota: ★★★ +  

André é superdesastrado, só causa confusão ao seu redor. Mas a chance de se tornar o heroi (ou a vergonha) da escola chegou: ele vai representar a sala nas Olimpíadas de Matemática. O problema é que o conteúdo da competição é justamente a tabuada do 9.


Este livro conta um pouco da vida de André, um menino que possui mãos grandes e fortes e é muito desastrado. Além de se atrapalhar com as mãos, também costuma tropeçar, bater e derrubar objetos. Em casa todos acabam se divertindo com suas "trapalhadas", menos sua mãe, que precisa limpar e organizar tudo! Mas isto não o aborrece. É na escola que reside o problema, pois André é alvo de gozações dos colegas.
É interessante trabalhar com este livro em sala de aula, pois podemos abordar a situação e os sentimentos de alguns estudantes que possuem problemas que afetam a coordenação motora, falar sobre bullying, sobre respeito às diferenças.
O pai do André, que é professor de História e sabe muitas coisas sobre os povos antigos, começa a contar para o menino como eles faziam seus cálculos usando os dedos das mãos. Com paciência e sabedoria, o pai de André faz com que ele perceba que suas mãos podem ser usadas a seu favor e o ensina a tabuada do 9, com as mãos.
No dia seguinte estava programada uma Olimpíada de Matemática na sua escola e adivinhem quem foi escolhido para representar a turma? Muito nervoso André começou a resolver os problemas e ...
Para saber o que aconteceu é necessário ler o livro!
Após ler este livro, os estudantes irão fazer muito rápido e corretamente as multiplicações por 9! Nas últimas páginas, encontramos algumas perguntas de reflexão e interpretação da história, além de algumas multiplicações por 9, com ilustrações de como fazer os cálculos com os dedos.
Neste livro há multiplicações, divisões, expressões numéricas, resolução de problemas e jogos na calculadora. É indicado para estudantes a partir do 4º ano.    


Autor: Keri Smith
Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Páginas: 224
Gênero: Humor

Resenha por: Luísa
Nota: ★★★ +  

Um diário costuma servir para anotar ideias, memórias ou registros do cotidiano. Keri Smith, ilustradora e artista canadense, inventou um tipo diferente de diário, que exige do usuário uma interação mais lúdica e inusitada. Com a proposta de estimular a criatividade e questionar convenções sobre a forma como lidamos com os objetos, Destrua este diário nos convida a rasgar páginas, rabiscas, pintar fora das linhas, manchar e até mesmo levar o livro para o banho. A ideia surgiu quando Smith começou a refletir sobre o início da sua carreira como artista e percebeu como o perfeccionismo tão exaltado na nossa cultura era um grande empecilho do processo criativo. A experiência fez com que ela entendesse que é preciso esculhambar a monotonia e o lugar-comum para que o novo possa surgir.

Os estrangeiros estavam comentando muito sobre este "livro", e como ainda não tinha chegado aqui, alguns brasileiros compraram o livro pela internet e assim ele começou a ser muito comentando aqui.
Eu ainda não terminei de destruir o meu, fiz apenas algumas coisas, mas já li todo e dei boas risadas. As páginas nos mandam sair com o livro para passear (com ele amarrado em um barbante como se fosse a coleira), vesti-lo, usar como sapato, sujar com terra, entre outras coisas destrutivas. Porém nele nós temos um espaço só para pensamentos positivos dentro de você, assim como um espaço negativo, e uma grande parte do livro é para você desenhar e ser criativo.

Eu achei essa ideia ótima, o livro é muito bom para botar a raiva para fora sendo criativo. Confesso que fiquei com pena de fazer algumas coisas que mandam, por exemplo: destruir a lombada; arrancar folhas, rasgar páginas, mas além de tudo isso eu fiquei com mais dó de embrulhar o diário e mandar pra si mesmo pelo correio, afinal, o correio está em greve!!!!!!



 


Como nós percebemos o interesse de vocês na outra postagem "faça você mesma", resolvemos dividir outra ideia simples de marcador de página. Mas cuidado para que este não coma seu livro!

Materiais: 
- Tesoura;
- Cola;
- Lápis;
- Régua;
- Compasso;
- Revistas;
- Cartolina.

Passo 1:
Desenhe e corte o molde:
1 quadrado de 8cm e 2 triângulos, sob os lados do quadrado. Os triângulos devem ter a metade da área do quadrado. 


Passo 2:
Dobre os dois triângulos. Depois, cole um no outro.


Passo 3:
Procure em revistas uma imagem de sua preferência, corte e cole.


Passo 4:
Desenhe os dentes e olhos. Em seguida corte.


Passo 5:
Cole tudo.


Resultado:



Espero que tenham gostado.





" Formar leitores é uma tarefa que começa antes mesmo da alfabetização e se estende por toda a vida escolar."

Por isso, vamos compartilhar um link da Revista Nova Escola que trata da importância da leitura, dos diferentes gêneros na sala de aula, um pouco sobre a leitura, tanto na creche, como na pré-escola, no Ensino Fundamental ou na EJA, além da formação de professores leitores.

Boa leitura!

P.S. Dá uma espiadinha neste bebê "lendo". É muito bom! Observem que ele já aprendeu que é preciso olhar o que está escrito e veja como sua postura e seriedade muda quando começa ou retorna a fazer sua leitura oral.



Um Ninho no Estranho   Autora: Andréia Pires
Editora: Da Autora
Ano: 2013
Páginas:23
Gênero: Infanto-juvenil

Resenha por: Leila
Nota: ★★★★ + ♥  

Coisas incríveis brotam onde menos se espera. A gente não dá bola, quase não presta atenção e nasce um voo, voa uma ideia, ideia ovo choco, amigo-ninho. Um ninho no estranho é sobre amizade e pássaros, sobre amigos e seus cabelos que não param de crescer. É a história de dois meninos que se encontram e compartilham experiências significativas: escola, futebol, imaginação, futuro e estranhezas que somente a infância é capaz de proporcionar. O segundo livro da escritora rio-grandina Andréia Pires, primeiro no gênero infantojuvenil, é um projeto editorial independente lançado pela produtora artística Mundo Moinho Casa das Artes, a partir do núcleo Invitro- Laboratório de Escrita Criativa, que conta com o talento de Alisson Affonso nas ilustrações e de Everton Cosme no projeto gráfico.

Penso que todos nós, em algum momento da vida, nos sentimos estranhos, como um extraterrestre, seja por causa de nossas ideias, estilo de vida, crenças e talvez até sejamos alvo de algum tipo de preconceito...
As pessoas tem dificuldade de entender ou aceitar outras opiniões, outras orientações sexuais, outras religiões, enfim, a respeitar as diferenças inerentes aos seres humanos. Reconheço que é muito difícil, na nossa convivência diária com os outros, não fazermos comparações, julgamentos e. por vezes, condenações, baseados única e exclusivamente, na nossa parca ideia e concepção de certo e errado. Seguidamente, não escutamos a opinião, os conceitos, os valores dos outros. É comum, pensarmos que nós somos os "donos da razão" e, muitas vezes, as "vítimas", os "incompreendidos", sempre considerando o nosso ponto de vista.
Este livro trata disto. E de amizades! Como é importante ter alguém que nos entenda e apoie!
Confesso que me identifiquei com o amigo do Zig. Muitas vezes minha cabeça fica cheia de "caraminholas" e me sinto uma estranha... Ainda bem que tenho alguns poucos amigos e amigas com quem posso compartilhar meus "ovos".
"Um ninho no estranho" é um livro para ser contado, dramatizado e refletido com nossas crianças, trabalhando o respeito, o acolhimento, a amizade.
Um verdadeiro presente que Andréia Pires nos proporcionou!

                                  


O encerramento da 41ª Feira do Livro da FURG aconteceu na noite do dia 09/02/14.
Foram 11 dias em que tivemos a nossa disposição encontros literários, oficinas, saraus, sessões de autógrafos, diversas manifestações artísticas e culturais, mais de 40 estandes de livros, com participação de livreiros e editoras do Brasil e região e a ampliação do espaço destinado ao público infantil.
Foi levantada uma polêmica em relação ao local deste evento, que utiliza uma praça destinada à prática de esportes e torneios esportivos, mas pensamos que o Cassino, atualmente, não possui outro local, com estrutura adequada à realização desta Feira. Sabemos que no Campus Carreiros da FURG, por exemplo, haveria condições de abrigar este evento, mas, nesta época do ano, com muitos moradores e turistas veraneando, o melhor local ainda é no Cassino.
Polêmicas à parte, a Feira do Livro da FURG é um grandioso evento cultural que preocupa-se com a valorização de escritores locais, oferta ao público de todas as idades as mais variadas apresentações artísticas e culturais e contato com vários escritores. 
É, simplesmente, um evento imperdível!


Livros que compramos:

  • Destrua este diário: R$ 24,00;
  • Vamos aprender - Palavras e Números: R$ 35,00;
  • Mamãe Gansa ensina os números: R$ 15,00;
  • O milagre: R$ 24,00
  • A seleção: R$ 24,90;
  • De volta aos quinze: R$ 24,90;
  • Um ninho no estranho: R$ 10,00;
  • A maldição do tigre: R$ 29,90;
  • Anjo mecânico: R$ 40,00;
  • Anna e o beijo francês: R$ 29,90;
  • Essa coisa brilhante que é a chuva: R$ 25,00.


Autor: Nicholas Sparks
Editora: Agir
Ano: 2010
Páginas: 328
Gênero: Romance

Resenha por: Leila
Nota: ★★★ +  

Jeremy Marsh é um nova-iorquino típico e circula entre a elite da mídia. Especialista em desmistificar o sobrenatural em uma coluna regular na Scientific American, acaba de fazer sua primeira apresentação na TV americana. Ao receber uma carta da pequena cidade de Boone Creek, Carolina do Norte, relatando fenômenos com luzes fantasmagóricas no cemitério local, ele não resiste e decide investigar o caso pessoalmente. Nessa comunidade fechada, Lexie Darnell dirige a biblioteca da cidade, ocupando o lugar que já havia sido de sua mãe, antes de morrer em um acidente. Decepcionada com relações amorosas do passado, incluindo uma que a afastou de sua cidade natal, a única certeza que ela tem na vida é de que seu futuro está em Boone Creek, perto da avó que a criou quando ficou órfã. Jeremy programa uma semana de trabalho na pequena cidade, já pensando em voltar rapidamente a Nova York. Mas assim que bota os olhos em Lexie, sente-se curioso e atraído por essa mulher de voz macia e beleza desconcertante. E, apesar de relutar, Lexie percebe que Jeremy começa a ocupar seus pensamentos com mais frequência do que gostaria de admitir. Agora, Jeremy Marsh precisa fazer uma escolha difícil: voltar para a vida que conhece ou fazer algo que nunca fez antes- deixar-se levar pela fé? Falando dos riscos que devemos correr e dos caminhos ditados pelo coração, O milagre fará com que você também acredite no amor.


Faz pouco tempo que terminei de ler "O milagre". Adoro ler romances quando estou em férias ou cansada, pois eles fazem com que eu relaxe, descanse.
Este livro começa falando sobre Jeremy Marsh, repórter de uma cidade grande, que acaba  de ter escrito uma matéria que teve grande repercussão. Ele é especialista em desmistificar casos sobrenaturais, numa coluna que escreve para a Scientific American e recebe uma carta pedindo que investigue a aparição de luzes num cemitério de uma pequena cidade, eliminando a possibilidade de manifestações de fantasmas.
Nesta cidade, ao começar suas investigações, conhece Lexie Darnell, no cemitério e, neste breve encontro, eles sentem uma atração. Quando Jeremy chega na biblioteca da cidade para pesquisar mais alguns fatos, quem ele encontra? A bibliotecária Lexie! E eles acabam conversando de novo.
Durante a semana que Jeremy fica na cidade para realizar filmagens, entrevistas, pesquisas, análises, acaba se envolvendo cada vez mais com Lexie.
O problema é que eles não querem se envolver num romance que tem data para terminar, pois Lexie não quer sair de sua pacata cidade e, por outro lado, Jeremy também gosta muito de New York...
Então ficamos a espera de "O milagre"!
Gostei muito do livro, mas para ser sincera, esperava um pouco mais...